Sobre a Rede

A Rede Indígena de Memória e Museologia Social, que congrega organizações e iniciativas de memória indígenas, foi formada em 2014 com o objetivo de aproximar povos que possuem museus comunitários e realizam ações colaborativas e participativas em memória e patrimônio cultural nos seus territórios, através da realização de encontros, intercâmbios e formações para a auto-gestão museológica. Baseia-se nos princípios da autonomia, da descentralização, da participação e do trabalho coletivo, considerando que a memória e os museus indígenas são ferramentas de luta e de fortalecimento da organização social própria dos povos ameríndios. Não possui financiamento de qualquer espécie e nem vinculação partidária, com órgãos de estado e-ou com instâncias governamentais. Seus povos e organizações estão articulados com instâncias do movimento indígena brasileiro, desde suas bases locais e comunitárias, às quais seus museus estão vinculados.

O Fórum Nacional de Museus Indígenas do Brasil, que acontece anualmente, é o principal encontro organizado pela Rede Indígena de Memória e Museologia Social. As duas primeiras edições aconteceram nos estados do Ceará (Museu dos Kanindé, aldeia Sítio Fernandes, Aratuba-CE, maio de 2015) e de Pernambuco (Museu Kapinawá, aldeia Mina Grande, Buíque-PE, agosto de 2016).

Além do Fórum Nacional, foram realizados diferentes encontros locais, estaduais e regionais, que aproximaram indígenas que desenvolvem processos museológicos em seus territórios nas cinco regiões do país. Estes encontros interculturais possibilitaram o crescimento da Rede e a ampliação de seus participantes, com a presença de coletividades étnicas dos estados do Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso, Paraná, Rio Grande do Sul, Tocantins, Amapá, Rondônia e Acre.

Desde 2016, a Rede Indígena vem estabelecendo contatos representantes de redes de museus comunitários de outros países, em especial, com a Red America de Museos Comunitarios e com a Unión de Museos Comunitarios de Oaxaca (UMCO-México), com as quais tem dialogando na perspectiva de participar ativamente do fortalecimento de um movimento continental de museus e espaços de memória comprometidos com as lutas dos povos indígenas da América.

Em sua terceira edição, o Fórum Nacional de Museus Indígenas acontecerá nos dias 19, 20 e 21 de outubro de 2017 na comunidade Nazaré do povo Tabajara, localizada na zona rural do município de Lagoa de São Francisco, estado do Piauí, região Nordeste do Brasil. O encontro será promovido através de uma parceria entre a Rede Indígena de Memória e Museologia Social e as organizações que dela participam, a Associação dos Povos Indígenas Tabajara Tapuio Itamaraty da Comunidade Nazaré e os demais povos indígenas do estado do Piauí.

O III Fórum Nacional de Museus Indígenas tem como principais objetivos efetuar um intercâmbio entre povos indígenas para a troca de experiências, conhecimentos e saberes, a articulação interinstitucional e a formação em rede. Além disso, no momento atual é necessário avançar na consolidação de núcleos locais autônomos atuantes nos estados, concomitantemente à manutenção de uma ampla agenda de atividades nacionais e de participação efetiva das experiências brasileiras nas redes de museus indígenas da América Latina.